Descomplicadas pernas_dentro

Publicado em outubro 25th, 2011 | por Maíla Diamante

2

DIZ COM QUE PERNAS EU DEVO PARTIR

Éramos o Albergue Espanhol pelas ruas de Santiago. Taiwanesa, brasileiras, basco, argentino, naquela pinta gringa reluzindo na testa.

Estômagos roncaram e os restaurantes pra turista ver da Plaza de Armas não estavam lá convidativos. Uma quadra além e a ingenuidade nos guia até um cardápio honesto pendurado na parede de um bar aconchegante e vermelho. Cedemos à cumbia, música latina que seduz até o mais ortodoxo dos quadris, tomamos assento. Essa é a história dos estrangeiros que trocaram os pés pelas mãos e confundiram restaurante com café com pernas.

Pernas. Fartas, pintadas com o pincel acusativo da celulite, familiares, convidativas. Um café com pernas é mais uma das peculiaridades do país, além das cinzas vulcânicas e do lápis-lázuli. Mais que as atrações chá, café e chocolate quente, essas casas espalhadas pelo centro de Santiago também contam com as atendentes simpáticas vestidas à la Geisy Arruda – com um gosto mais refinado na escolha das cores do traje. Nos “proibidões”, os cafés que escondem suas especialidades nas paredes de vidro escuro, as distintas senhoritas trabalham a um fio da nudez – literalmente. O Barón Rojo, pioneiro, presenteia seus clientes com o minuto feliz. São sessenta segundos de chazinho de camomila e strip-tease.

Nos “proibidões”, os cafés que escondem suas especialidades nas paredes de vidro escuro, as distintas senhoritas trabalham a um fio da nudez – literalmente

Nenhum cabrón entendeu que diabos fazíamos ali. Um café com pernas diurno é nada mais que um café, frequentado por senhores e também por senhoras. Mas já passava das dez, e o nosso parecia ter algo a mais. Não por acaso, muitos que levavam o alvará “com pernas” foram fechados, acusados de prostíbulos. E os clientes olhavam a cada uma de nós, duas brasileiras e uma taiwanesa, com adagas nos olhos. Não muito diferente do que faziam nas ruas. No país dos mais machistas da América Latina, mulher caminhando sozinha é sobremesa. Em terra de Piñera, todo chileno é pedreiro.

Subimos até um piso menos frequentado, comemos nosso macarrão com suco de damasco, curtimos o pot-pourri choroso da jukebox, nos satisfizemos. O atendimento superou o mais caro dos restaurantes santiaguenses, como esperado. Agradeço até agora esse quê de educação temperada à sexualidade daquela Pacha-mama que nos atendeu. No caixa, primeiro andar, os sorrisos femininos e as farpas dos clientes masculinos mais uma vez. Estávamos em um tribunal e eu não sabia com que pernas permanecíamos lá, com que pernas devíamos sair. Pernas pra que te quero, assim sem jeito partimos.

Tags: , , , , ,


Sobre o Autor

Estudante da UFSC e cozinheira amadora. Abandonou o diploma de filosofia empoeirando na gaveta e ainda não sabe onde deixará o futuro diploma de jornalismo.



2 Responses to DIZ COM QUE PERNAS EU DEVO PARTIR

  1. Alexandre says:

    Oi….e nao é q vc foi mesmo?!?!
    Mto boa matéria……
    Bjao
    Alexandre Leal

  2. Luisa says:

    “Em terra de Piñera, todo chileno é pedreiro.”
    HAHAHA, genial!

Subir ↑