Descomplicadas olhos_fechados

Publicado em novembro 9th, 2011 | por Luisa Nucada

7

NÃO ME ACORDEM, POR FAVOR

Ela falava de autoengano. Era para ser só mais uma palestra acadêmica, mas ela falou de gente, de sentimento, de mim e de todo mundo. Autoengano, sabe? Aquela história de adiantar o relógio cinco minutinhos para não se atrasar.

Ou ouvir uma duvidosa proposta masculina e acreditar no velho “não vou fazer nada que você não queira”. Ou botar a culpa de suas falhas em algo externo, ou crer que o mundo é injusto e só lhe faltou a oportunidade certa. É uma inconsciente sabotagem para afastar a sensação de fracasso, é sua mente dando um materno tapinha no ombro e falando “você é a melhor, filha, os outros é que estão errados”.

Ela estalou os dedos na minha cara, tentando me acordar. Falou das automentiras que apaziguam o ego. Sim, o autoengano é cônjuge da autoestima. Desde o berço, somos adestradas a ouvir “quem é a menina mais linda do mundo?” e levantar os bracinhos. E o mundo desaba quando a princesa do papai vai à escola e descobre que seu reinado está restrito ao portão de casa, que a Barbie da colega é mais bonita e que a vida nem sempre é um torrão de açúcar. Mas vem a névoa etílica do autoengano e minimiza o mal estar.

Desde o berço, somos adestradas a ouvir “quem é a menina mais linda do mundo?” e levantar os bracinhos. E o mundo desaba quando a princesa vai à escola

Essa história toda me levou a reflexões ainda mais macambúzias. Lembrei dos meus professores mais brilhantes, amargos como bile. Pensei nos gênios da humanidade, todos loucos, suicidas, ermitões. E cheguei à indesejada conclusão, aquela que sempre quis evitar: ou se é muito inteligente ou muito feliz, nunca os dois ao mesmo tempo, impossível associar.

O intelectual não é alegre, o intelectual não joga o jogo do contente, o intelectual é blasé porque é intelectual. Entendam, falo do intelectual estereotipado, sim, uma burra generalização. O intelectual caminha só. As pessoas de horizonte estreito não conseguem viajar com ele. Não descodificam a mensagem, não interpretam os signos, não entendem as referências. Ao intelectual não lhe apetecem as pessoas rasas, por isso mergulha num isolamento cult, vira Robinson Crusoé da ilha da ilustração. Não há nada mais solitário que a rabugice da erudição.

A ignorância é uma algema de pelúcia. Prende, mas não machuca. Quando a visão é limitada, o desagradável permanece turvo. E se as sombras são falsas, meras projeções, ao menos entretêm. O conhecimento é denso, pesado como uma enciclopédia, tira a leveza da alma. Corta a embriaguez da alienação.

Às mentes muito afiadas talvez falte agudeza de espírito e simplicidade. Talvez falte a sabedoria de atribuir valor ao que realmente é valioso, de ver a grandeza do que aparenta ser pequeno. Talvez falte singeleza.

Chega, já tô ficando deprimida.

Pois bem, se assim for, se a senhora da palestra tiver razão, se tiver algum nexo a minha conclusão, escolho o conforto do não saber, a segurança dos olhos vendados. Quero viver um ignorante sorriso bobo, uma ilusão perpétua e um autoembuste infinito. Quero maquiar a feiura da vida e padecer até o fim dos meus dias do ingênuo complexo de Pollyanna. Não me acordem, por favor.

Tags: , , ,


Sobre o Autor

Goiana, cruza de japonesa com baiano, estudante de jornalismo. Alimenta-se de histórias e escoa aqui e em www.anucadadisse.blogspot.com sua tagarelice mental.



7 Responses to NÃO ME ACORDEM, POR FAVOR

  1. Luisa Nucada says:

    [quote name=”Leocádia Faria”]Me desculpe, mas por suas palavras você já está acordada faz tempo, e prefere se iludir dizendo estar dormindo. Gostaria de saber quem foi a palestrante e o tema da palestra. Ah gostei muito do texto.[/quote]

    Leocádia,

    A palestra foi ministrada na Universidade de Cádiz, na Espanha, onde estou fazendo intercâmbio, e pertencia ao programa da disciplina Pragmática do Espanhol. A palestrante se chama Graciela Reyes, especialista nesse ramo da linguística.

    :)

  2. maíra says:

    gostei mais dos comentários!

  3. Marina says:

    NOOOSSSAAA

    Esse texto é exatamente o que penso todo dia, não sei se é o correto, mas é o que eu penso!

  4. Leocádia Faria says:

    Me desculpe, mas por suas palavras você já está acordada faz tempo, e prefere se iludir dizendo estar dormindo. Gostaria de saber quem foi a palestrante e o tema da palestra. Ah gostei muito do texto.

  5. Marina Souza says:

    Sempre leio as matérias aqui postadas e acho o máximo.
    Acredito que os que leram leu Polyanna preferem o conforto do não saber.

    Concordo com a Laís TEXTO ENCANTADOR

  6. Marcelo says:

    Preferir as algemas de pelúcia? Preferir o ignorante sorriso bobo? Não concordo que o intelectual é infeliz. Cada um busca a felicidade, a seu modo. A diferença é, justamente, saber ou não o que se busca. Aliás, o que é a felicidade? Se a intenção foi a ironia, não pareceu muito convincente, a questão é, que a conclusão está muito simplista. A decisão final não é simplesmente se manter na ignorância; o que deve ser levado em conta são as consequência que isso trará.

  7. Laís Mezzari says:

    Acho que conversamos sobre isso um dia desses…
    Também prefiro as algemas de pelúcias.

    Texto encantador, como sempre!

Subir ↑