Descomplicadas Viviane _Orth_Divulgação

Publicado em janeiro 20th, 2013 | por Fabiana Deggerone

5

NU ARTÍSTICO?

Eis que começa aquela cena do filme, onde os atores estão no maior clima de romance, a coisa toda ruma para uma envolvente cena de amor, e de repente, lá está ele, o peitinho.

Sim, pois a partir do momento que ele (o peitinho) aparece, toda a cena se foi. O homem que está vendo a cena pensa: U-hu! Peitinho! E a mulher pensa: tá grande, ou tá pequeno, ou tá caidinho, ou que lindo, queria ter um desses! Todo aquele esforço e desenvoltura na atuação da cena acabou, está todo mundo prestando atenção no peitinho.

Não sei de onde veio essa ideia de que as pessoas precisam ver a nudez na cena para que ela seja mais real. A nudez, quando colocada em cena, só tem um objetivo: mostrar um corpo nu. Criar polêmica, dar audiência. Aí entra o papo de nu artístico, que era para dar realidade à cena, que o nu fazia parte do contexto. Eu insisto: apareceu pelada, desconcentrou a cena toda, tá todo mundo olhando você pelada e não dando a mínima pra interpretação. Digo o mesmo para desfiles de moda, tapetes vermelhos, roupas que mostram o peitinho: se ele aparecer, ninguém vai olhar pra roupa, todo mundo vai olhar o peitinho.

Aí entra o papo de nu artístico, que era para dar realidade à cena, que fazia parte do contexto. Eu insisto: apareceu pelada, desconcentrou a cena toda, tá todo mundo olhando você pelada e não dando a mínima pra interpretação

E quando a famosa dá entrevista e fala: “Ai, eu fiz umas fotos para a revista, mas é um nu artístico”. Querida, os homens que irão ver as tuas fotos querem ver aquilo que ainda não mostrastes, não querem ver a tua “personagem” interpretada nas fotos, eles querem mesmo é ver o peitinho, a bunda, a vagina. Não importa se estás de anjo ou de dominatrix, o importante é que estás pelada.

Por outro lado, temos as peladas de plantão, aquelas que estão aí para pagar o peitinho que der e vier, sem interpretação, sem cachê, sem nada. O puro e simples peitinho que faz a alegria da galera. Confesso que não entendo bem essa coisa de querer se mostrar tanto, de qualquer jeito, mas garantidamente, elas tem seu público, sempre. Deixa elas, se é isso que as faz feliz, que bom!

A minha principal questão é que parece que atualmente o mundo está cheio de peladas, o tempo todo e em todo lugar, o que me faz pensar se vale a pena tanto esforço nosso, das mulheres comuns e normais, para estudar, trabalhar, ser séria, se qualquer uma que vai lá e fica pelada causa uma comoção diária, um corre-corre da imprensa, uma profusão de fotos em todos os lugares, tem pelada até dando opinião em programa de TV. Aí eu penso, na hora, poxa vida, ela está ali só porque ficou pelada…mas também depois me redimo e penso que a pelada pode ter opinião, pode pensar. Mas todo mundo viu ela pelada.

Não sou preconceituosa e nem pregadora da moral e dos bons costumes, quem quiser correr pelada por aí que o faça, ainda bem que hoje temos liberdade pra isso no nosso país. Apenas fico chateada que a nudez feminina ainda é uma tônica tão forte que faz parecer que todas as mulheres querem ficar nuas para todo mundo. Vejo que a nudez parece ser um “passaporte” de carisma e competência para as mulheres, o que é de certa forma triste.

Muitas mulheres que admiro nunca tiraram a roupa. Muitas que admiro estão tirando a roupa o tempo todo, e nem por isso eu deixei de admirá-las. Não estou dizendo que existe certo e errado, mas, convenhamos, se um homem tirar a roupa, na hora ele vira piada.

Tags: , ,


Sobre o Autor

Gerente de marketing da Apex Distribuidora, mãe em tempo integral e escreve alguma coisa de vez em quando.



5 Responses to NU ARTÍSTICO?

  1. Frank says:

    O problema não está no nu e sim no artístico ! O nu não deveria ter característica simplesmente deve ser. O uso do artístico é uma maneira preconceituosa de se referir ao nu como se o mesmo fosse vergonhoso. O nu é o nu em pronto, se está sendo colocado de maneira inadequada, aí já é incompetência do diretor. Se for o que é vai representar devidamente uma situação real.
    Gostei do seu artigo !

  2. muito bom Fabi. Realmente tem cenas, por exemplo, q conseguem expressar muito bem o romance e a paixão q está rolando sem ter q tirar a roupa…às vezes o “suspense” e o “quase mostrando” vale mais a pena do q mostrar tudo de vez porque realmente, mostrou o peito todo mundo repara e fica analisando, dane-se o q ela está falando….

  3. Bruno Silva says:

    Só uma correção no que diz respeito à flexão verbal:
    O correto é tu mostraste (sem “s”); quando se acrescenta “s”, corresponde a 2ª pessoa do plural (vós mostrastes).

  4. Marcelo says:

    Mostrar o “peitinho” é tão condenável?
    Não entendi se combates o “consumismo do nu” ou se defendes a liberalidade dele? Ou se os dois?
    Na minha opinião, a cena não se perde com o nu, mas, ganha ares de realidade. A verdade vai muito além disso, por óbvio, mas o nu, as vezes, é essencial, para não dizer: a mais pura expressão da natureza humana.
    Apesar disso, sou totalmente contra o “consumismo do nu” e a criação de “celebridades” baseadas exclusivamente nisso.

  5. Diogo M says:

    Nada de novo. Ruim demais.

Subir ↑