Estante Foto por Stefano Maccarini

Publicado em setembro 14th, 2012 | por Stefano Maccarini

0

FOTOGRAFIA DE BOLSO

Com o nobre objetivo de democratizar o acesso à obra de grandes mestres da fotografia por meio de livros de bolso, chega às livrarias a edição brasileira da série Photo Poche.

Já disponível antes em versão importada, o preço do livro no Brasil não fazia jus ao objetivo da coleção: R$ 90 cada, em contraste com os 12 Euros cobrados em qualquer livraria da França. Agora, com edição brasileira, cada volume custa R$ 35.

O projeto foi concebido pela mente do francês Robert Delpire. Nos anos 1950, ele foi o primeiro a publicar Cartier-Bresson, Doisneau e Brassai, e o único que aceitou o desafio econonômico de publicar o que seria o registro fotográfico beatnik The American, de Robert Frank. Não é surpresa que a série Photo Poche, criada por ele nos anos 1980, tenha se tornado a coleção de livros sobre fotografia mais bem vendida do mundo.

A coleção original, da editora francesa Actes Sud, contém 130 edições que contemplam fotógrafos e agências como Vu e Magnum, oito livros de história, como Mao e Che Guevara, e 17 séries especiais como a de Doisneau, sobre os parisienses, e a de Sebastião Salgado, a respeito da Serra Pelada. A versão brasileira, lançada pela queridinha dos consumidores de literatura do Brasil, a Cosac Naify, tem por enquanto duas caixas com cinco livros, cada um sobre um artista diferente.

O tamanho reduzido da publicação acaba por esconder muitos detalhes das fotos e faz com que poucos motivos realmente exerçam aquele movimento acrobático de “saltar aos olhos”

As edições um a cinco abordam a genialidade de Henri Cartier-Bresson, o surreal Man Ray, o social de Sebastião Salgado, o belo de Helmut Newton e o humor de Elliott Erwitt. As edições seguintes, lançadas em junho deste ano, contém os livros de Robert Capa, autoproclamado o maior fotógrafo de guerra do mundo, o domínio da arte de André Kértsz, a solidão de Josef Koudelka e o comercial e publicitário de Edward Steichen.

Também há no segundo box um livro sobre a insossa fotografia de Lewis Carroll, com uma série de retratos sobre a menina que inspirou a Alice do clássico Alice no País das Maravilhas. O apelo de Carroll é muito mais comercial do que fotográfico, por se tratar de um nome conhecido universalmente, injustiçando grandes gênios como Walker Evans, Bruce Davidson e Eugene Smith, para citar alguns.

Cada livro conta com um texto de abertura, geralmente um artigo assinado por um amigo ou admirador do autor, ou em alguns casos uma entrevista, e uma seleção das melhores e mais famosas fotos de cada fotógrafo. O tamanho reduzido da publicação acaba por esconder muitos detalhes das fotos e, no primeiro momento, torna algumas menos atraentes do que realmente são – indo na contramão da tendência contemporânea de impressões fotográficas que ultrapassam a estatura média de uma pessoa. Isso torna a experiência mais investigativa, de modo a aumentar o silêncio e acentuar a razão de ser de algumas fotografias, fazendo que poucos motivos realmente exerçam aquele movimento acrobático conhecido como “saltar aos olhos”.

Ainda que os exemplares da edição brasileira custem R$ 35, o preço ainda poderia ser menor. A edição sul-americana em espanhol segue o mesmo padrão de qualidade da Actes Sud e era comercializada por R$20,00. Como na versão da Cosac Naify não há diferença de preço na compra da caixa com cinco livros ou do exemplar avulso, vale mais a pena investir apenas nos livros dos fotógrafos que mais despertam interesse.

Tags: , , ,


Sobre o Autor

Fotógrafo wanabe, estudante de engenharia, baterista sem ritmo, acha que morar fora do Brasil é bom mas é uma merda, e morar no brasil é uma merda mas é bom.



Os comentários foram encerrados.

Subir ↑