Na rua ooby10

Publicado em setembro 13th, 2010 | por Thiago Momm

4

BALNEÁRIO ROCKS

Adriano Bettin é um homem de topete.

Na eletrônica Balneário Camboriú, ele e seu amigo Vinícius Blaszezyk abriram, em fevereiro, o Ooby Dooby, uma hamburgueria e casa de rock anos 50. “É um universo paralelo, uma outra dimensão dentro da cidade”, anuncia Adriano.

Agora quem não sai de lá é a publicitária Ana Resner, uma fã de Franz Ferdinand e outros rocks atuais que descobriu no Ooby Dooby os primórdios do gênero. Sexta, sábado e quarta ou quinta ela bate ponto. Não é raro que seja, às 5h, a última cliente. No Ooby, Ana se tornou fã de Elvis Presley, Jonnhy Cash, Stray Cats. E lá se apegou à jukebox de fichas gratuitas e 50 discos antigos. “A galera até desiste [quando eu começo a usar]”, sorri malignamente para a Naipe, ao lado de uma geladeira azul calcinha 1953. Em cima da sua mesa há um busto do amado Elvis.

Mas o som não parte apenas da jukebox. Há bandas de blues ou de rock com nomes como Headcutters, Rockabilly Stunts, Yellow Box. Nos dias de semana, com rock anos 70, 80, 90, o público é razoável. Mas na sexta e no sábado o Ooby bomba, 200 saudosistas e novos apreciadores de rock clássico pra mais.

“Estamos reavivando casais”, empolga-se Adriano, também animado com as “golas levantadas e várias dancinhas engraçadas” que vê. Tudo isso ele conta com um forte sotaque paulistano. Foi em São Paulo que ele roubou a inspiração de hamburguerias retrôs como Joaquins, Prime, Fifties, e foi de lá que trouxe suas costeletas, seu topete e um apego de vida inteira ao rock anos 50 e sua cultura.

Em Balneário, ele e o paranaense Vinícius (cabelo normal) se deram conta de que não havia nada parecido. Só viam casas muito heavy metal, muitas brigas, e nisso tiveram a grande sacada de abrir um lugar de vibe light. “Aqui dá umas pin-ups, umas freakzinhas mais suaves”, orgulha-se Adriano.

Entre as pedidas seguras do cardápio, o Ooby Burguer Classic, com maminha e batatas-fritas, 160g, R$ 16; entre as obstrutoras de artérias, French Fries Volcano, fritas com bacon e cheddar, também R$ 16.

Garçons e garçonetes trabalham a caráter. Um deles começou como um civil qualquer; hoje, tem topete e costeletas à semelhança do chefe. É obrigatória, a costeleta? Mais ou menos. “É voluntária mas ficou obrigatória”, sorri Adriano.

Vai lá: O Ooby fica na Av. Atlântica, 2554, Balneário Camboriú; tel. 47 3056 7796

_____

Esta matéria foi publicada na revista Naipe 3. Em breve, a edição estará disponível para download e leitura online.

 


Sobre o Autor

Jornalista encarnado em literatura, viagens e história, é editor da Naipe, deixou porque quis a reportagem de turismo da Folha de S.Paulo e agora contrai dívidas para viajar. Um dos seus idealismos é emprestar livros do Henry Miller.



4 Responses to BALNEÁRIO ROCKS

  1. Nelson says:

    Parabéns Galera da Naipe. Essa matéria ficou muito boa!
    Sou de Blumenau, sempre vou a BC, só para ir no Ooby Dooby. O lugar mais top do Rock que já vi.

  2. Renatinha says:

    Eu amoooooo esse lugar.
    Alem de lindo, é muito divertido.

  3. Cláudia says:

    A casa é ótima, a energia é fantastica!!!
    A galera que trabalha lá, é muito gente boa!!!
    Ou seja, Bc estava carente de um lugar tão legal assim!!!
    Parabéns Ooby Dooby!!!

    Vocês sabem muito de Rock n Roll!!!

    Beijos

  4. Bruna says:

    “Só viam casas heavy metal, muitas brigas”??????????

    Então não conhecem BC mesmo, de heavy metal não tem nada.
    Se consideram Open e JB estão totalmente equivocados,
    tanto o Open quanto o JB são locais de ROCK, que eventualmente têm bandas de heavy metal (sendo que o JB é um local muito agradável e com ótimas bandas)
    e nunca vi briga em nenhum deles.

    seria bom conhecer os locais antes de falar deles, sabe :)

Subir ↑