Na rua torta

Publicado em novembro 5th, 2012 | por Roberta Ávila

104

FALTAM PADARIAS

Paulistana que sou, sinto falta de poucas coisas de São Paulo.

Faltam as pessoas, claro, mas isso falta em todos os lugares. Quem mora em muitos lugares, quem faz amigos e os deixa, e os vê partir, sabe que sempre vão faltar pessoas. A falta incorporada ninguém nos tira (de quem é esse poema? Parece Drummond), mas falta muito mais que isso em Florianópolis. Faltam padarias.

Não existem padarias no mundo como as de São Paulo. Padarias-pizzarias, com as melhores tortinhas de morango no mundo, daquelas que a mãe leva para casa quando quer agradar e que não existe quem não goste. Sem cuca, e com o melhor pão francês, que é francês, e não de trigo. Padarias onde sempre se vende guarda-chuvinhas e cigarrinhos de chocolate.

Quando eu era pequena em São Paulo (e só fui pequena lá) o programa do sábado era ir até a padaria com o pai. Acordava, ia para a sala e esperava o convite ansiosa. E quando perguntado se eu queria ir até a padaria, agarrava na mão do pai feliz da vida pelos dois quarteirões que separavam minha casa da padaria. Lembro de conjuntinhos de moletom com desenho do Tom e Jerry e da Mônica. Era vestida com eles que eu ia até a padaria. Meu pai, como sempre, nunca sentia frio. Usava uma regata azul com um emblema que eu nunca soube do que era, mas que sempre achei lindo, um shorts cinza, e os óculos que perdeu no mar, naquelas férias em Ilha Comprida.

Morando em Florianópolis, não consigo me conformar com as padarias daqui. Não tem coxinha, não tem guarda-chuva de chocolate, muitas vezes nem pão tem

Passávamos pelo campinho de futebol e um terreno baldio no fim da rua, seguíamos pela calçada e sempre encontrávamos algum vizinho. Meu pai cumprimentava com um “oopa!”, como se entre minha casa e a padaria houvesse uma grande fazenda, todo um interior de Brasil, no meio de São Paulo. Sempre chovia (ou sempre garoa na minha memória), e era ainda mais gostoso. Sempre tinha poças onde eu pisava de levinho com minha bota de chuva vermelha da Moranguinho, e o pai nunca ligava. Era muito mais arteiro quando era pequeno, ele me entendia. E por que mesmo a gente não podia usar bota de chuva todo dia?

Depois de pedir pão e leite, ia para o caixa com o pai e sempre ganhava um guarda-chuvinha de chocolate. Todos tinham o mesmo gosto, mas eu sempre queria o vermelho. Às vezes a gente levava um para casa também, mas fossem um ou dois, até chegar em casa já não tinha guarda-chuvinha nenhum. Mas tinha, de novo, a vontade de ir até a padaria com o pai.

Morando em Florianópolis, não consigo me conformar com as padarias daqui. Não tem coxinha – e como pode existir um padaria onde não tem sempre coxinha?! -, não tem guarda-chuva de chocolate, muitas vezes nem pão tem. Se pedia pão francês, me perguntavam se quero pão de trigo. E todo pão não é de trigo? O pão francês é que é francês. Parei de comer pão, para parar de me decepcionar.

Quando visito São Paulo, meu pai pensa churrascaria, restaurante japonês, italiano, lembra meus gostos e inventa reinventa favoritos. Eu quero ir à padaria. De preferência de mão dada.

Tags: , ,


Sobre o Autor

Jornalista. Viciada em seriados e cinema, acredita que a vida está nos detalhes e que Cazuza escreveu Exagerado para ela. Não decidiu ainda se o amor a gente inventa, mas com certeza é uma metamorfose ambulante.



104 Responses to FALTAM PADARIAS

  1. Leandro says:

    Cada cidade tem seus prós e contras. Floripa tem belas praias, porém as padarias são realmente péssimas. Essa é a verdade.
    Não adianta eleger uma ou duas padarias boas, se vc tiver que pegar o carro pra comprar um pão decente.

    As padarias de Floripa estão longe de serem padarias. Para voces terem idéia, pesquisei as melhores padarias e vi que duas “boas” eram as Lombardo Pão Italiano (Frei Caneca – Agronômica); Familia Lorenzi (Rui Barbosa – Agronômica)
    Pois num domingo as 16h eu peguei o carro e fui nas duas e, pasmem, as DUAS vulgo “padarias” estavam FECHADAS!!!!!!
    Pelamordedeus, uma padaria fechada num domingo a tarde????

    òtimas praias, péssimas padarias.

  2. Patrícia says:

    Estou em Florianópolis há 6 meses e amo essa cidade. Sou de São Paulo também e concordo em claro e bom tom que aqui NÃO TEM PADARIA! O sabor do pão em São Paulo (o estado todo) é sensacional. Todos, um dia, deveriam provar. Mesmo sendo de lá, sei dos pontos fracos de São Paulo e aceito esses pontos – são muitos. Os manezinhos ficaram ofendidos com a crítica, que nem foi tãoooo crítica assim, o que prova a falta de tolerância com o externo. Apesar de amar muito essa cidade, sinto uma certa resistência dos nativos (sem generalizar) com pessoas que vem de fora. Já ouvi de muitos que estou aqui roubando emprego deles. Bom, não sei se estou roubando, já que o cargo que ocupo atualmente, ficou aberto por seis meses aqui na Ilha e não houve sequer UM currículo, o que fez a empresa anunciar Brasil a fora! Aceitar os pontos fracos é crescer e evoluir. Parabéns pelo texto, Roberta!

  3. Daniela says:

    Bom Roberta, como boa florianopolitana que sou tenho que dizer que Florianópolis tem sim ótimas padarias. E muito mais do que isso. Se você ainda não conheceu o TICEN (Terminal Integrado do Centro) verá que não só ótimas padarias existem em Florianópolis, como também, ótimas lanchonetes. Lá (no TICEN) é sempre possível encontrar deliciosas coxinhas, assados, tortinhas e bolos da maior variedade sempre fresquinhos, de ótima qualidade e com um preço muito acessível. Inclusive, nas redondezas deste Terminal, é possível deleitar-se com deliciosas coxinhas e outros salgados fritos pela bagatela de R$0,60. Além do mais, você pode encontrar baratíssimos guarda-chuvas e cigarrinhos de chocolate nestas excelentes lanchonetes.

  4. Ademir Coelho says:

    Está certo, falta cultura, falta educação, falta padaria assim como falta um monte de coisa que falta no resto do Brasil.
    O que falta também é respeito pela terra que os acolhe.
    Que as padarias de São Paulo são melhores e mais numerosas que as de Floripa isso é obvio, não vou entrar no mérito que São Paulo tem mais de 11 milhões de habitantes e Floripa tem um pouco mais de 400 mil.
    Nada contra falar que as padarias de lá são melhores, só acho que se deve ter tato ao falar isso e não soar como algo presunçoso e snob:

    “Se pedia pão francês, me perguntavam se quero pão de trigo. E todo pão não é de trigo? O pão francês é que é francês. Parei de comer pão, para parar de me decepcionar.”

    Má que diabo, eu nasci aqui e a minha vida inteira falei pão de trigo. E qual o problema nisso?
    Posso até achar engraçado o nome ‘cacetinho’, o que não faz sentido é ir para o Rio Grande do Sul e exigir pão de trigo.
    Ai provavelmente depois de um texto descuidado vem criticar em tom esnobe quem fala “fora haole”?
    Eu sou daqui, a minha família e maioria dos meus amigos são de fora e de longe penso dessa forma.
    Sendo assim não digo para ir embora, apenas sugiro 3 opções:
    Ou seja de fato uma jornalista e escreva um texto falando de quanto se anda para ir a padaria, da qualidade, dos preços, da variedade, etc;
    Ou escreva um texto saudosista;
    Ou abra uma padaria que venda guarda-chuvinhas de chocolate, coxinha, tortinhas de morango e pão francês.

    Agora ficar de punhetação é muito chato: “Lá tem várias padarias, aqui poucas; lá o pão é gostoso, aqui é ruim e as vezes nem tem; lá tem coxinha, aqui não; lá tem guarda-chuvinha de chocolate, aqui não; lá atendem quando peço ‘pão francês’ (que é irrefutavelmente a denominação correta para esse tipo de pão), aqui não”.

    Me trate e trate a minha cidade com respeito, sem esnobismo e sem presunção, e terá respeito em troca.

  5. Center Half says:

    O que a moça tem, a zilhão, é saudade de casa. Quando você começa chorar até pela “regata do papai” é porque a coisa tá urgente e só há uma saída: o aeroporto (afinal…quem quer lancha não vai aceitar ir a SP de ônibus, né ?). O que me resta muito claro é que, na maioria, os forasteiros insistem em mudar sem sair de casa, ou seja, querem transformar o novo endereço numa espécie de extensão do rincão amado…..com mar. Sempre haverão os modernetes que aderirão ao discurso do “neo-ilhéu nascido em sampa”. Não creio que com guarda-chuva de chocolate, coxinha e pão francês (que aliás não existe na França) ou não querendo ver cuca no balcão consiga-se a tal melhora dos serviços. Isto só serve prá acirrar o trolismo doentio.

    • Ademir Coelho says:

      Saudosismo todo mundo tem. Aliás, muita gente deve ter saudosismo em relação a cuca.
      Porque que as padarias daqui tem que ser iguais as de São Paulo?
      E porque o saudosismo do guarda-chuvinha de chocolate é melhor que o da cuca?
      Então acho que o autor deve ter mais cuidado ao escrever sobre seu saudosismo sem desrespeitar a vivência de um lugar.

  6. Rogério says:

    kkkkkkkkk Bem, vou dizer uma brincadeirinha eheheh pára né oh! Saiste de SP pra vir querer comer coxinha aqui na Ilha, pára né oh kkkk mofas com a pomba na balaiah oh ! kkkkkkkk Coxinha qui não, aqui é pirão de berbigão com tainha assada ahahahahah! Os manézinhos tem sim uma certa rivalidade contra os de outros estados que vieram morar aqui por questões culturais mesmo ou de aculturação, os manézinhos da ilha são meio caiçaras, então vieram os paulistas e gauchos e tentaram colonizar a ilha. Churrasco e chimarrão gaúcho e coxinha paulista aqui não, aqui é bananinha frita com uma canelinha por cima, tainha assada, berbigão, boi de mamão e bernunça kkkkkkkk
    tou brincando, voces são sempre bem vindos na Ilha. Nem todo manézinho é radical ! kkkk

  7. Ester says:

    Quanta gente mal educada e amarga por aqui hein…
    Por isso que Floripa é o que é: bonita de natureza e podre no seu interior.
    Gente que não respeita ao próximo, que não se enxerga e não assume e reconhece as mazelas da cidade.
    Sou manezinha, mas, convenhamos, nossa cidade está muito longe de ser uma cidade que ofereça serviços de qualidade – e com razão, uma boa padaria – e qualidade de vida.
    Por essas e por outras que tanta gente de fora se dá bem aqui: tem senso crítico, mente aberta e não se cala quando algo não agrada (porém, de forma educada e positiva).

    Salve o “manezinho”!

    • Tatiana Gonçalves says:

      Porque generalizar nos comentário??? Essa gente da ilha…podre por dentro…podre é você! Essa é a consequência de um texto mal escrito. Provoca rivalidades, desentendimentos, onde todos gerenalizam tudo e todos. Educação, respeito, cultura, independe de estado, religião, partido, cor, credo, opção sexual…Sejam bem vindos a Florianópolis os bons turistas, aqueles que sabem apreciar a cidade e sua cultura e principalmente respeitar os que aqui nasceram. Se quiser ficar? Ótimo!!! Mas que seja para somar…se quiser falar mal e diminuir a cidade, fique onde você está…

  8. Helga says:

    Essa energumena deve mesmo se mudar pra Porto Alegre. De la vem outros iguais a ela para esta cidade fina e requintada chamada Florianopolis. La ela vai conhecer (finalmente!) um cacetinho! Acho que nao vai resolver o problema dela, mas pode fazer ela calar a boca de merda que tem!!! Sao Paulo eh podre de supermercados: eles sao nojentos, daqueles onde escorre agua com sangue dos refrigedores pelos corredores e as verduras podres ficam nas gondolas. Lugar de gente sem educacao e sem cultura: uma GRANDE PERIFERIA que se julga uma cidade. Lugar de lixo nas ruas, mendigos, violencia, gente porca que come milho e outras porquices. Volta pra la, sua vaca perdida.
    Va conhecer o mundo, sua anta… e descobriras que Sao Paulo eh soh um cocozinho.

    • Doctor Who says:

      Nooossaaa!! não foi possível encontrar um resquício de inteligencia, de urbanidade, de educação, de cidadania nesse comentário…certamente não será moradora ou nascida na cidade fina e requintada de Florianópolis… E.T. minha casa….back home Helga!!

  9. Luiz Eduardo says:

    Boteco tem sim alguns, mas nada que se organize com uma tradiç]ao: uma rua augusta em sp, a região do largo da ordem em Curitiba, a Patrocinio em PoA… ou o rio e bh quase inteiros. de fato, floripa não conseguiu criar uma região com mais de dez bares e que tivessem uma identidade, como as regiões que eu citei tem.
    Tem o que? 3 bares no pantanal, 3 na travessa [ + milton´s], 3 na lauro linhares…. não dá pra comparar!
    Já de restaurante, é fato, pegar o ribeirão, santo antonio, cacupé…. é demais.

  10. Realmente, Florianópolis não tem uma padaria a altura da cidade.Quem gosta de frequentar padaria não deve deixar de ir na Doce & Pão em Biguaçú.

  11. Mari says:

    Amiga, quer coxinha? compra um frango
    guarda-chuvinhas de chocolate eca, que péssimo gosto…
    Padaria de qualidade e pão francês? …vai para França
    Cunjuntinhu de moleton.?… deves estar bem grandinha, não tem mais pro seu tamanho…kkk
    botinha de borracha da moranguinho, agora tem outras bem modernas,,,,já era!
    Sinceramente, srta ou Sra Mary Poppins, ops, guarda-chuvas de chocolate, pq está aqui, se lhe falta tantas coisas?

  12. Rafaela says:

    O texto é muito gostoso. A delicadeza de se remeter ao passado e compartilhar me fez sentir “pulando” nas poças junto. Até temos algumas padaria boas por aqui, mas tem algo que sempre me deixou intrigada, será que é o nosso trigo que é ruim?Porque os pães por aí afora são tão mais deliciosos! Minha cidade (Rio do sul) tem cucas de comer até explodir, e pães caseiros, sem dúvida, de comer chorando. Agora fiquei curiosa pra ir a uma padaria de SP e espero que me surpreenda como as pizzas de lá. Espero também, não ser colocada numa cruz por expor minha opinião e não ser “mandada” embora pra minha antiga terrinha, já que gosto tanto daqui de Floripa e pretendo ficar! Rsrsrs que venham os novos sabores de pães e coxinhas para provar!

    E viva a liberdade de gostos, o respeito com a opinião adversa e a interpretação de texto!

    • Maria Luiza says:

      Também sou de rio do sul, e sinto falta da Doce Compania haha, mas descobri uns lugares legais em Floripa :D haha

  13. Giulia says:

    Gente, cada um fala o que quer e inclusive lê o quer…não adianta ficar nervosinho, xingar, mandar voltar pra SP. É fato que Floripa não tem padaria boa, quem fala q tem padaria boa é porque não conhece uma padaria boa de verdade. Eu amo Floripa mas padaria boa ta foda….

  14. Laura says:

    Muito ruim o seu texto.Ficar descrevendo roupinha da moranguinho nao desperta sentimentos em ninguém.

  15. Eliza says:

    …..o pão foi ganhando apelidos locais diferentes, como pãozinho (São Paulo), pão massa grossa (Maranhão), cacetinho (Rio Grande do Sul, Bahia), pão careca (Pará), média (Baixada Santista), filão, pão jacó (Sergipe), pão aguado (Paraíba), pão de sal, ou pão carioquinha (Ceará) em diferentes cidades do Brasil.
    Padarias? São ótimas aqui, lá, em todo lugar! Não há “ataques” para as padarias de Floripa e muito menos à cidade: falou-se de diferenças regionais, somente. E tomara que continuem: essa é a melhor parte de morar em um país como Brasil.
    … e viva a igualdade, a diversidade, o livre pensar e expressar!
    … e o respeito ao direito de sentir diferente e rememorar pequenos fatos que marcaram positivamente uma parte importante da vida: a infancia.

    abs

  16. Bruno says:

    Puxa vida, que besteirol violento…
    Para uma pessoa chegar ao ponto de reclamar que uma cidade inteira não possui uma padaria que preste, ela deve estar muito desconte com o lugar onde mora. ! Com certeza essa moça deve falar mal de todo o resto de Floripa. E nós aqui, temos que aguentar essa bobajada. Rapariga, faça o seguinte: Passeie pelo estreito, e te garanto que encontrarás padarias maravilhosas, com coxinhas, quibes, bolos tortas e etc…
    Fala sério!!!!

  17. Heloisa says:

    Concordo em parte que em Sampa tem excelentes confeitarias, padarias, mas la a mentalidade e outra, em compensacao os precos praticados em Sampa sao exorbitantes, meu salario nao da para se alimentar la. Vou te dizer duas coisas: Povo e Cidade como Floripa nao tem em nenhum lugar!
    A proposito, por que tu nao voltas para Sao Paulo?

  18. Mari says:

    Bom mesmo seria vc voltar para SP, lá tem tudo isso e muito mias… tem transito quilométrico, gente alegre, td é fácil, pão francês na padaria do português, pastel ensebado nas feiras…. guarda-chuva nos camelôs…bye bye…. Aqui, com tantos defeitos, vcs já vem aos montes, imagina se fosse melhor? Não cospe no prato q come não…. é feio!!! Ah, quem vive de passado é MUSEU…..

  19. fernanda says:

    querida ,volta para São Paulo e vai comer seus guarda chuvinhase cigarrinhos,me poupe,com tanta coisa ruim acontecendo e vc reclamando de padaria!afff

  20. leticia freitas says:

    já ri muito só de ler os comentários…Mas, acho que afinal, é meio assim: cada lugar tem seus atributos e superioridades. Sou do Rio, e adoro as padarias e lá, aqui não tem a ” canoa”, não tem paõ doce como aqueles…Mas, escolhi esta maravilhosa terrinha, e não reclamo não; tem tanta coisa ótima aqui, e sampa tem mais é que ter comida porquê o que mais fariam os paulistanos quando conseguem chegar(leiam sair das filas de trânsito),a não ser comer??? Floripa já tem coisa demais que veio de lá(shopping, cinema, teatro,cultura vindo afinal). Aprendam a preencher as pequenas frustrações e aproveitem qdo voltarem à terra original.

    • Mari says:

      Boa Letícia, praia para esta paulistas, deve ser o Tiete. Não consegue ver o lado bom de viver nessa terrinha tão abençoada por Deus, como o Rio de Janeiro.. Beleza pura…. o q ela conseguem ver? a FALTA DE PADARIA E O SEBOSO GUARDA CHUVINHA…. SP,.um amontoado de gente que TEM como divertimento comer. Onde for tem fila, na padaria, na pizzaria, no restaurante, no cinema, no teatro, se diverte nas filas…. Ir para o litoral farofar…tem fila….Agora essa pessoa deveria curtir a terrinha onde ela ganha o seu “PÃOZINHO”…. que é pago pelo povo manézinho…..É uma tansa!!!

  21. Adriano Costa says:

    Pão ruim? Alguem mencionou Angeloni?Aquilo que é um pão ruim de respeito! E depois da reforma ficou pior ainda o sistema self service, ja vi gente pegando pão com as mãos e colocando na bacia. NOJO. Pão bom? Padeiro de Sevilha. PONTO

  22. Ariana Luz says:

    Sobre as padarias e coxinhas não posso comentar muito, mas o guarda-chuva de chocolate você encontra na Doce Vida, na Cons. Mafra. Comprei um pacotão deles e de Dadinhos uma vez para também relembrar minha infância! ;-)

  23. Andre says:

    Sou seguidor do fl0r1pa m1l grau, fiquei shatiado com a “raketada nesse imbesiu” auheuaheuah =(

    Eu estava brincando quando falei aquilo sobre “TERRITÓRIO GAÚCHO”, tem gaúcho idiota e tem catarinense idiota – o local onde nasceu, o sexo, a etnia, opção sexual, religião não definem as pessoas. O caráter define.

    Temos gaúchos, paulistas e paranaenses que é trabalham no comércio (que é uma profissão muito digna e IMPORTANTE para nossa economia) e catarinenses também!!! :)

    Eu estava brincando quando falei aquilo, com o intuito DE IRRITAR as pessoas. Partindo do mesmo nível do argumento “Volta pra lá então” – usado frequentemente quando alguém “de fora” fala mal de algo de Florianópolis. Meu comentário causou raiva, eu sei, essa foi a intenção. Talvez assim vocês entendam quando você quer criticar algo errado (não falo da padaria, falo de qualquer crítica, principalmente de cunho político) e a pessoa dá uma resposta tão hostil.

    Gostaria aqui de deixar claro que esta não representa minha opinião, e lamentar que algumas pessoas só souberam me xingar e inclusive me ameaçar. Estas pessoas são o reflexo negativo do Brasil, há pessoas vazias e ignorantes que não sabem agir de uma maneira superior. Se um burro te dá um coice, tu vais dar um coice no burro?

    Enfim, Florianópolis é minha terra também, e tudo que eu acha errado VOU criticar SIM!

  24. Deisi says:

    Tem os sem-padarias , e tb tem os sem- botecos. Acho que Florianópolis é a única cidade turística ( além de litorânea) onde não existe a tradição dos barzinhos /botecos com mesinhas na calçada para tomar um café, um chopp no final da tarde com amigos ou colegas de trabalho , não falo das praias, falo da cidade que tirando os poucos bares do mercado (que é coisa p turista) e da travessa Raticlif que agora querem acabar, não sobra nada!

    • Aliatir Filho says:

      Talvez você não deva ter dinheiro pra frequentar tantos lugares gostosos pra beber uma cerveja depois do trabalho com os amigos, pra ficar aqui chorando “tanta miséria”… Tá bom então, agora Floripa não tem barzinho. HAHAHAHA Querida, conheces Coqueiros? Santo Antônio de Lisboa? Ribeirão da Ilha? Pantanal? Vai “pru mato pra ver se o urubu ti pinica, vaí!”

      • Giulia says:

        O inteligente, ela quis dizer boteco e não restaurante que tu paga 7,00 na cerveja, ela ta falando de boteco mesmo, cerveja barata e tal..entendeu?????

        • Aliatir FIlho says:

          Não não, inteligente deve ser tu. Uma pessoa que não consegue achar botecos em Florianópolis deve ser um poço de inteligência. Qualquer coisa te passo uma listinha inbox de lugares com cervejas bem mais bataras que 7 “pila”.

  25. Pequena says:

    quem essa mulher ta pensando que é pra ficar falando mal de Floripa , se São Paulo é tão bom porque ela não continuou lá feliz e gorda hein ? Ninguém boto uma arma na cara dele e disse : “você é obrigada a morar em Florianópolis” , minha filha , nem venha querer comprar Florianópolis com aquele lixão a céu aberto que é (eu sei porque eu já estive lá) . É por isso que eu não quero que esses gaúchos , paulistas e nordestinos invadam Floripa (nada contra , mas eles sempre falam mal daqui) , deixa a nossa querida ilha pros manézinhos … TE ARRANCA ESTOPO…

  26. Melissa says:

    Essa mulher que volte pra São Paulo! Já vai tarde, volta lá pra dar um mergulho no Rio tietê, apreciar o transito e aquele ar puro da cidade, melhor aindaaa, comendo um pãozinho da padaria de lá! Olha que boa ideia? kkkkkkkk, aiai, vejo coisa

  27. Juliana says:

    Linda, tens que morar no Rio Grande do Sul, lá eles se referem ao pão francês como “cacetinho”; acho que é isso que está faltando na sua vida, um baita de um cacetinho. kkkkkk. Volte para casa então, querida, aposto que ninguém aqui sentirá sua falta. Fazendo poesia com xenofobia. Outro coisa, onde você mora? Conselho: tente outra padaria.

  28. Gisele says:

    Tem gente que não entendeu o texto…uma pena! Reduziram o texto em uma coxinha…viu como a maioria não sabe CURTIR de verdade a ida a uma padaria???? Eu como a roberta ávila amo padarias, e de verdade em floripa não se tem o hábito e nem o grande prazer de ir até a padaria….por isso tanta gente não entendeu o texto…afff

Subir ↑