TOUROS E CHOPES

Duas bagunças, um sábado.

Choppada da Esag e Tourada Mecânica desavergonhadamente caíram na mesma tarde, obrigando uma escolha. Grosso modo, as mulheres com chapéu de caubói foram na Tourada, na Life Club; as um pouco mais pagodeiras, na Choppada, no Praia Mole Eco Village; a Naipe dividiu a equipe e foi nas duas.

Ninguém pareceu se importar com os sertanejos repetidos na Tourada.

As pequenas obras-primas Fugidinha e Delegada tocaram três vezes cada. A primeira versa que “o jeito é dar uma fugidinha com você”; a segunda, “eu me rendo, me entreguei / mas para de ficar investigando a minha vida / meu bem, brinca não / chega dessa história de bancar a delegada da paixão”.

Na Choppada, a baixaria ficava por conta do que o próprio grupo Intuição chamou de “momento love hits” – pagodes antigos do Só Pra Contrariar, mais especificamente do CD SPC ao vivo, estampado por um Alexandre Pires magrelo de bigode e camiseta do Brasil. O disco tocou até riscar em muitos aparelhos Pioneer de Escort Guarujá em 1997.

A maior parte do público da Choppada não tinha mais que 10 anos quando essa pepita do cancioneiro nacional foi lançada, mas no que o Intuição sapecou Tô fazendo amor e Que se chama amor muita gente esgoelou junto. Uma galega com cara de levada da breca ousou fazer um coração com a mão. E se a vibe ainda não estivesse Brasil profundo o suficiente, o sertanejo É o amor e a lambada Adocica terminaram o serviço.

E assim foi até que DJ Alex mandasse uma versão eletrônica pancadona de Entertain us, do Nirvana.

Bom senso

Na Tourada o desafio maior era permanecer em cima do touro mecânico. Havia até peão com torcida. “É muito difícil, mas consegui os oito segundos uma vez”, disse Henrique, vitorioso.

Na Choppada o desafio era manter o bom senso. Havia ecos de Oktoberfest, “um barril de chope / é muito pouco pra nós / dois barril de chope

 / é muito pouco pra nós” e tal. Uma menina gemendo “pelo amor de deus!” invadiu o banheiro masculino, outras preferiram esgueirar-se logo mato do Eco Village afora. Nas duas festas houve os gritos boleiros “Figueiraeôôô” e “Leãoeôôô”. Inspirado, na Choppada um sujeito tentou o approach:

– Leão?

– Não, respondeu a menina, e saiu andando.

Houve chope liberado para quem levou caneco ou comprou um na festa. Às 20h40 na ala VIP, porém, veio o aviso de que não havia mais chope gratuito. No começo da festa, alegou-se falta de energia em um dos bares. Hummm.

Ainda na Choppada, a Naipe acompanhou por pelo menos duas horas a saga de um gente finíssima (deu bebida à reportagem, que estava sem caneco) estudante de Administração e seu amigo tentando sair do zero a zero. Eram desses caras que parecem ter nascido com o caneco pendurado. As chegadas baladeiro-caricatas do estudante de Administração não davam resultado. Seu amigo era mais quieto.

A Naipe registrou o que acontecia nas horas exatas em cada festa e reúne aqui as anotações. Confira:

17h

Tourada
O aluno animador de palco manda: “Quem é engenheiro faz barulhooo” (gritos machos fortes ecoam pela Life), “Cadê as enfermeiraaaas?” (gritos machos animados misturam-se a gritos femininos de uhul), “Quem é português burroooo?” (????), “Quem é universitário, porra?” (AÊÊ)

Choppada
A Naipe ainda não havia chegado na festa.

18h

Tourada
– A dupla sertaneja Rony e Ravel leva o público ao delírio com Vou zuar e beber

: “Eu vou zuar e beber / vou lotar uma van / e levar a mulherada lá pro meu apê / que é pra gente beber / e depois pararara rarararara, pam ram ram / e depois para gandá, pam ram ram”.

Choppada
– A Naipe chega ao som de algum pagode com lelelelelelê. Uma ladina beija o namorado à beira da piscina. O detalhe – “a falcatrua”, segundo fontes – é que ela usava um óculos escuro dado pelo amante, que aliás também estava na festa. Uma hora o namorado usou o óculos. Não saber é ser feliz.

19h

Tourada
– Toca “Ela sai de saia e de bicicletinha, uma mão vai no guidon e a outra tapando a calcinha”; em seguida, momento flashback com Boate Azul, Fio de Cabelo e Menino da Porteira. A galera vai à loucura. Casais dançam romanticamente. Um cara em frente ao palco não se contém de emoção e sobe nos ombros dos colegas.

Choppada
– “Desculpa, velho, dá uma sujeira, isso”, diz um bombado pedindo pra não ser fotografado. Ele deixou a namorada em casa e abraça uma Paula Toller menos encorpada. Nas caixas de som, Pimpolho, do Art Popular.

20h

Tourada
– O animador de palco propõe um campeonato de Créu. Nove meninas no palco. Ele analisa o material: “Tem de tudo, tem de tudo, glúteos molinhos, glúteos durinhos, esse glúteo tá bom, esse também tá bom, esse precisa malhar um pouquinho”. As nove dançam Créu com paixão e a escolhida pela plateia ganha dez latas de Bohemia. No banheiro feminino, grupos vão até o chão ao som de “Ah, que isso, elas estão descontroladas”. Há dois banheiros sem porta, as mais desesperadas vão pra lá. “Tapa essa bunda, Fernanda”, grita uma menina.

Choppada
– Uma música diz “I’m in Miami Beach”. O estudante de Administração acompanhado pela Naipe leva o 8º ou 22º corte, a contagem se perdeu um pouco. Ele se coloca ao lado de uma delicinha nos espelhos entre os dois banheiros. Ele sorri, ela não. “Tô de boa”, diz ele, questionado sobre o zero a zero.

21h

Tourada
– Há coro de Luan Santana ao fim do show da segunda dupla sertaneja. Alguns casais não se dão conta de que começa a tocar house e continuam dançando encostadinhos. A Naipe vai embora comer um hot dog no Du Piru, no Kobrasol.

Choppada
– A reportagem encontra uma entrevistada da matéria de capa da Naipe 4, sobre relacionamentos. “Pego mesmo e não me apego”, ela disse na entrevista. Provando que não mentia, quando encontrou a reportagem ela caçava um carioca. A festa vai longe, mas a Naipe vai embora comer um sanduíche de frango no Centro Social da Cerveja, ao lado da UFSC.

_____

Leia aqui reportagem sobre os lucros incríveis das festas universitárias

 

Tags: , ,


Sobre o Autor



9 Responses to TOUROS E CHOPES

  1. Naipe says:

    Cláudio. Nossa frase foi: “Às 20h40 na ala VIP, porém, veio o aviso de que não havia mais chope gratuito”. Isso foi dito por dois universitários e depois checado pela Naipe.

    Em nenhum momento dissemos que o chope passou a ser cobrado – apenas dissemos que o chope de graça acabou.

    A redação

  2. Cláudio says:

    Reportagem TENDENCIOSA: fui a Choppada e em NENHUM momento cobraram pelo Chopp! Tiveram problemas de distribuição do Chopp, mas isso que vocês fizeram é um grande erro da parte de vocês, caso tenham dúvida sobre uma informação, se omitam, mas não sensacionalizem sobre esta coisa que faz o jornalismo no Brasil ser algo tão amador e tendencioso como é.

    Era leitor do site e da revista mas me decepcionei com a maneira que vocês expuseram os fatos na reportagem sem ao menos ter uma fonte que garantisse a informação de vocês, extremamente equivocada.

    Apesar dos problemas, achei a festa muito animada, quebraram tudo botando uma atração nacional em uma festa universitária – coisa que vocês também não citaram na reportagem. Vejo uma melhora das últimas Choppadas pra esta e espero que o pessoal esteja aprendendo com os erros, e a próxima ser ainda melhor!

  3. Gabriela Silva says:

    Ate tinha chopp na choppada mas era chopp quente! para compra ficha era de uma lado e tinha que atravessar a festa tda pegar a bebida. Primeira e ultima choppada.

  4. Keila says:

    A Tourada foi ÓTIMAAAA!!!! Faltou vcs do meu lado quando meu namorado me sequestrou da fila do caixa pra “dar uma fujidinha”!! Só escutei os “Ohhh!” das gurias do lado. ;P O que estragou foram os mosquitos que acabaram com as pernas de todas as meninas e me impossibilitam de usar shorts curto por mais uma semana no mínimo! mas o resto tava perfeito, até o serviço de van foi rápido!

  5. HelioC says:

    Sinceramente, a choppada da ESAG foi uma bagunça! Ano após ano a ESAG vem demonstrando o quanto é ineficiente em organizar uma festa universitária ao contrário da UFSC, que na minha opinião organiza de uma forma muito qualitativa! Absurdo é destinar praticamente metade da festa para um camarote, sendo que nesse mesmo espaço possui um palco onde poderiam ser realizados shows e consequentemente, não causando nenhum transtorno na “logística” do evento, principalmente no quesito movimentação ! Segundo, o EcoVilage é um lugar muito limitado devido o desnível do ambiente,ou seja, não comporta milhares de pessoas! Resumindo, a Choppada da ESAG é um evento para ESAGIANOS não para universitários.

  6. Naipe says:

    Ah, é, teve show do Buchecha. À essa altura a Naipe já estava em casa assistindo ao seriado Mad Men no laptop.

  7. Mariana says:

    Nossa, a Choppada tava muito boooa! Tocou de tudo, e o melhor que foi o Buchecha e a playlist de funk, vcs nem comentaram… O chopp nao terminou, eles pararam de servir (devido ao fim da festa) à meia noiite e pouco só. claro que teve fila e era meio dificil de passar, mas só o normal e esperado em toda e qualquer festa que vai bastante gente.

  8. Mateus says:

    choppada? Igual todo o ano. Mas dessa vez aprendi. A ESAG dá aula em desorganização. Eles não têm matérias de logística? Faltou chopp gelado, faltou qualidade nas músicas, faltou organização. Não consigo imaginar uma configuração do ambiente pior do que foi feito. Para comprar algo para comer, tinhas que atravessar a festa inteira, comprar a ficha e voltar. O Palco foi montado bem no meio da festa, entre as escadas, sufocando quem queria simplesmente passar.

  9. Gabriela says:

    Ai que mentirinha essa reportagem!! Fiquem sabendo que a Choppada foi a melhor festa universitária que Floripa viu, esse negócio de acabar o Chopp é mentira, teve a festa inteira. Eu só ouvi tocar pagode uma horinha. Acho que vcs não fizeram o trabalho de cobrir a festa direito.

Subir ↑