No Mundo energeticosdentro

Publicado em outubro 20th, 2010 | por Revista Naipe

4

CRIOU ASAS

Quando chegou a terras tupiniquins, o energético não era mais que uma propaganda com bonecos que criavam asas.

Crianças não entendiam, pediam que os pais comprassem. “Red Bull não é pra criança”, ouviam. Crescidinhas, mas não traumatizadas, elas hoje são consumidoras da santa mistura de taurina e cafeína. O energético sonha ser o refrigerante.

De 2004 para cá o consumo brasileiro cresceu 74,6%. A quantidade de marcas aumentou e só em Santa Catarina há pelo menos meia dúzia de fabricantes. Em postos de gasolina, supermercados e academias, as possibilidades parecem infinitas: Red Bull, Monster, Nitrix, Vibe, Effect, Extra Power, Fly Horse, Burn, Gladiator, Wild Dragon, Night Power, No Fear, Bad Boy, TNT , Baly, Red Horse, Flash Power.

As marcas pipocam tanto que até a terra do chope já tem a sua. Recente, por enquanto o Blue Wish é vendido apenas em Blumenau e região. Sócio da empresa, Felipe Steiner viu o mercado crescendo e decidiu investir. Ele admite que a competição é meio feroz. No caso do Blue Wish, é a cor azul hipnotizante que faz o papel de pega-consumidor.

O Nitrix, produzido em Balneário Camboriú desde 2007, escolheu se diferenciar pelo preço – é vendido em embalagem pet e não nas latinhas esguias metalizadas. O Baly, feito em Tubarão, decidiu chamar a ex-BBB Priscila Pires e deixar o marketing fazer sua mágica.

O negócio é se diferenciar. Sites muito loucos com house music de fundo são quase obrigatórios. Tem até quem imagine que nas fábricas de energético se produz ao som de tuntz tuntz. Na vontade de ser diferente o Red Horse Power, de Joinville, toca Eminem e rock na sua página.

Com tantas opções, o público fica mais seletivo. O estudante de Agronomia da UFSC Douglas Loch toma energético pelo menos duas vezes por semana. Para aguentar o tranco do trabalho, compra as marcas tradicionais, segundo ele mais fortes. Quando faz esquenta, vai no que estiver mais barato. Desconfia da abundância: “Não compro esses de dois litros que custam o preço de uma latinha”.

Há fartura por aqui, mas nada comparável ao mercado americano. Lá, tem até energético do Mario Bros, dos Simpsons e um chamado Deep Throat, com o maroto slogan: “Keep it up all night”.

Santa Catarina ainda chega lá.

_____

 

 

Tags: ,


Sobre o Autor



4 Responses to CRIOU ASAS

  1. daniel says:

    energetico pode para criança de 8 anos???

  2. Rogerio says:

    Lamentável, essa bebida não parece ser saudável. As pessoas deveriam procurar tomar mais água e sucos naturais e deixar os refrigerantes e energéticos de lado.

  3. lARI says:

    O que quer dizer ” QUASE DOBRA EM SEIS”??? rsss

  4. Eduardo says:

    Será que vale a pena chegar lá? Essa combinação álcool + cafeína é problemática…
    http://www.nature.com/nature/journal/v468/n7323/full/468475a.html

Subir ↑