On the road floripa

Publicado em julho 28th, 2011 | por Revista Naipe

8

OVERRATED

[Foto: entardecer no centro, Thiago Momm]

Críticas às cidades em que passamos a maior parte da vida, quando não a vida inteira, nos incomodam bastante.

Mil explicações a respeito podem ser suscitadas, mas a principal parece simplesmente: “Ei, não diga que fiz uma péssima escolha e estou jogando meu tempo fora; não me lembre que há lugares melhores para morar, se eu não posso estar lá agora.”

É óbvio que quem mora em Florianópolis há muitos anos não está jogando o seu tempo fora. Os elogios dos cadernos de turismo fazem sentido. Um dia você é adolescente e vive o espírito leseira-com-savoir-faire de Santo Antônio de Lisboa, Lagoa da Conceição, Campeche, Ribeirão, Itaguaçu. Uma década depois, jornais e revistas do país e do mundo inteiro tentam prender esse espírito em fotos e palavras. Falam sobre manezinhos como contraculturalistas natos e suas vidas com mar, ostras, tainha, cachaça, desanuviamento, desaceleração.

Muitos passamos quase todos os dias apenas no trânsito e em partes sem-graça do centro da cidade, mas nem por isso as matérias são absurdas. Assim é o jornalismo de turismo, e Florianópolis merece boa parte dos adjetivos que ganha.

A partir das óbvias qualidades ilhoas, no entanto, nos supervalorizamos e falamos sem a devida paciência sobre nossos defeitos e limitações. Ao orgulho da própria terra se somam os elogios alheios – e ficamos bobos. As lindas meninas da ilha interpretam que são as mais bonitas do planeta (não são); os profissionais ligados ao turismo interpretam que não precisam melhorar o que vêm fazendo; os xenófobos ampliam sua arrogância; os políticos ganham um atenuante permanente.

Os profissionais ligados ao turismo interpretam que não precisam melhorar o que vêm fazendo; os xenófobos ampliam sua arrogância; os políticos ganham um atenuante permanente.

Parece que quem reclama de Florianópolis não estaria se divertindo o suficiente, captando o que há de bom na cidade, entendendo seu ritmo. As pessoas não percebem que criticar o lugar em que se vive tem a ver, muitas vezes, justamente com o fato de se amá-lo, de ser tão apegado a ele.

Ilhas gregas

Viajei daqui até a Jericoacoara (CE) de carro, parando em grande parte do litoral brasileiro até lá. Foram 7,7 mil km. Também conheci ilhas gregas e espanholas, assim como muitas cidades à beira-mar de outros países. Nem por isso me animo a fazer comparações absolutas. Primeiro porque aquele orgulho do lugar em que criamos raízes compromete o julgamento; depois, há coisas demais a serem levadas em conta num comparativo entre duas cidades.

Em todo caso, comparar certos aspectos não só é possível como é ótimo exercício autocrítico.

Como o restante de Santa Catarina, Florianópolis tem uma alfabetização acima da média nacional (menos de 3% da população, segundo as estatísticas oficiais, não sabe ler). Culturalmente, porém, não entraríamos num possível top 10 com as capitais do país. Não conseguimos nem reabrir o nosso Centro Integrado de Cultura, o CIC.

E o tão alardeado estilo da Lagoa da Conceição? A inventividade dos barzinhos é pífia e entradas são cobradas a troco de nada especial. Na pequena Arraial D’Ajuda (BA), entrei de graça em um bar com uma ótima banda ao vivo – algo comum na Europa, onde geralmente se lucra apenas com o consumo dos clientes. Logo, lá em Arraial, um homem que tocava músicas no saxofone para uma loja próxima veio caminhando. Abriu espaço entre o público do barzinho, subiu no palco, pediu à banda um microfone para ampliar o som do sax e entrou na bagunça.

Programado, espontâneo? Não interessa. Não temos nada parecido na Lagoa.

Em diversas festas, eventos, guias, nossa cidade é vendida como Ibiza ou Saint-Tropez. Tem provincianismo maior? Nada contra incluir um suposto glamour como argumento turístico, mas que tal vender Florianópolis como… Florianópolis?

E assim segue. No todo, Florianópolis compila uma natureza interessante com uma alma louvável. Nem por isso é suprema como dizem. Não tem a natureza do Rio de Janeiro. Não tem o zelo e apelo turístico de lugares como Jericoacoara, Morro de S.Paulo, Mallorca, Fernando de Noronha (em Jeri, por exemplo, há uma loja da Havaianas com as paredes todas de vidro e o chão de areia). Na ilha grega de Mykonos, como em tantas cidades europeias, estilosas mesas convidam a almoços no meio da rua. Por que não fazemos isso em Santo Antônio? Por que só fechamos as ruas para carros no carnaval?

Isso tudo não quer dizer que não tenhamos uma cidade acima da média. Temos. Reconhecer essas coisas é só o ponto de partida de tantas melhorias necessárias à ilha. Não podemos nos amar a ponto de não enxergarmos nossos poréns.

Thiago Momm, editor da Naipe, tem a alma majoritariamente mané: dos seus 32 anos, viveu 8 em São Paulo e 24 em Florianópolis, onde está hoje por gostar da ilha acima de tudo.

Tags: , , , ,


Sobre o Autor



8 Responses to OVERRATED

  1. Thiago Momm says:

    De fato, Anna, a ilha é espetacular e o texto pode não deixar isso claro. A questão é que no verão nosso ufanismo não permite ver nossas limitações. Traços de alguns dos melhores destinos de veraneio mundiais não nos dão automaticamente todas as qualidades desses lugares – especialmente as que dependem de iniciativas nossas.

  2. anna says:

    Realmente, a natureza do Rio nem se compara daqui … e olha que conheço muito bem, einh??? mas Floripa tem lugares muito lindos, sim …

  3. Léa says:

    Ou num restaurante, em Itaguaçu, de frente para o mar, onde as 23 hs, a cena se repete: garçons retirando as mesas e cadeiras, praticamente te mandando embora!! Como uma cidade, que se diz turística, pode agir desse jeito? A paisagem é linda, atrai turistas, mas isso de nada adianta se a “cultura” não mudar… Como também a falta de segurança, de hotéis, pousadas, falta de água, de luz, que ocorre todo ano nas praias., além do trânsito. Cardápios que triplicam de preço!! Ou seja, a cultura do turismo precisa mudar. Fazem tanta propaganda de Florianópolis, mas sua infra estrutura não aguenta. Até quando isso vai ocorrer?
    Abraços

  4. Léa says:

    Li alguns artigos aqui no blog, e gostaria de parabeniza-lo e acrescentar algumas opiniões.
    Florianópolis é magnífica, realmente a natureza foi generosa aqui. Mas só isso não basta!!
    Fico pensando num mercado público, que é citado como ponto turístico da cidade, e que às 14 hs de um sábado, mesas cheias de turistas, os garçons começam a retirar as cadeiras e mesas vazias, querendo fechar. Lojas comerciais já fechadas, o que o turista vai fazer?

  5. Rodrigo Dalmolin says:

    A propósito, sei que não preciso mencionar, mas faço assim mesmo: o Rio de Janeiro não tem a natureza da Amazônia e nem Florianópolis o jornalismo do Rio de Janeiro.

  6. Rodrigo Dalmolin says:

    Thiago,

    Realmente, não temos a natureza do Rio. Não sei se você realmente conhece a natureza do Rio, mas a da Ilha você decididamente desconhece.

    Certamente, se você utilizasse mais do seu tempo em conhecer a natureza daqui, descobriria que como o nosso hino diz “jamais a natureza reuniu tanta beleza”.

    Você conhece as mais de 50 cachoeiras que temos? Os vários quilômetros de costões? As dezenas de praias, pontas e cavernas? Quem sabe os morros e as pedras. Nunca vi você em meio à natureza ilhéu.

    Enfim, seu comentário acerca da natureza ilhéu me parece típico de quem não sabe e não sabe que não sabe. Logo, trate de saber e saber que sabe antes de falar.

    Cordialmente.

  7. Felipe Obrer says:

    Thiago, bem bacana teu texto… Eu moro aqui na Ilha há quase duas décadas, desde 1992, e vim pela primeira vez ainda na década de 80. Posso dizer que sou mais “daqui” do que de qualquer outro lugar. Acho que cabe colocar o link para a minha matéria “Cidade dos Perdidos, ou ‘tu não és daqui, né?’.”, publicada na edição #2 da Revista Overmundo: http://obrerconsultoria.wordpress.com/2011/08/08/cidade-dos-perdidos-ou-tu-nao-es-daqui-ne/ Abraços, Felipe.

  8. Marco Zimmermann says:

    Além de auto-crítica, falta também que as pessoas se insiram na cidade, como parte dela e não apenas como um habitante dela.
    Nossas atitudes ou falta delas é que moldam a cidade.

Subir ↑